Inacabada

228958_10151085742714962_1924065836_n

Hoje tronsformo-me em chuva
Por um boneco de outrem.
Mas não por inveja
Ou qualquer possessão.
Apenas pela saudade de brincá-lo.

Amanhã, talvez, seja o boneco
Que, ao ganhar uma vida inexistente,
Uma vontade quase impossível,
Transforme-se em tormentas
E tente mover montanhas.

Mas hoje, cegamente, só penso
Em esquecer aquela beleza
A diversão e os olhos
Tento existir sem lembrar
E apressar o relógio.

Porque palavras são esquecidas
Promessas enfraquecem
Sentimentos se equilibram frágeis
Quando o tempo não é igual.

Será que um dia nossos relógios estarão compassados?

Fuga

257978_10150194855079962_435625_o

Eu tenho um carinho raro
É quase nunca

Eu tenho um carinho tão caro
É quase tudo

Eu tenho carinho dividido
É sempre negativo
Mas insisto
Compartilho

Eu tenho um carinho de outro
E de mim, só um pouco, fico.

Na Rua

Image

Arrisco-me, mas saio. 

Para andar de trem, 

para andar de bike,

para andar de carro, 

para andar e ponto

e para correr. 

 

Sento na rua, 

na chuva, 

no bar,

na mesa de fora,

na feira,

no chão,

no degrau.

 

Vou à praça

ao parque, 

à avenida, 

à ciclovia,

ao outro lado.

 

Saio para fora, 

fumo um cigarro,

espero o carro,

espero o sol

espero o lugar.

 

A janela é aberta 

A deixar a cidade,

o vento,

a chuva,

e o cheiro entrar. 

 

Porque sou de fora,

Sou da rua. 

Tomo chuva, 

tomo sol,

tomo vento 

e sempre saio. 

 

E talvez morra 

Ou me morram

Por ver na rua

a principal arte. 

o palco

a convivência, 

a vida.

 

Não é shopping, 

ou é prédio

ou teto

ou tédio

A cidade é na rua.

Conformidade

Hoje só quero aquilo que você quer me dar. Chega de exigir, pedir, implorar. Chega de querer mais. Não vou mais fazer isso. Não vou pedir horas, companhia ou sentimentos além daqueles que vierem voluntariamente de você. Hoje, vou apenas receber. Eu até te darei coisas, a troca não deixará de existir. Mas darei exatamente aquilo que você me der, na mesma intensidade, na mesma hora. Além disso, não vou mais. Não cruzarei mais essa linha. Porque estou bem cansada de tentar levar-nos para uma direção mais segura, de remar sozinha contra a maré, de pedir para você remar comigo sem saber se é isso que você quer. Daqui para frente, só darei o próximo passo quando e se você o dar.

Vou me esforçar de maneira sobre-humana para lutar contra qualquer vontade minha que não tenha correspondência e intensidade exatamente igual em você: escrever, pedir, abraçar, conquistar. E uma força ainda maior para conseguir não pensar em querer mais, não pensar tanto em você, não sofrer tanto assim. Lutarei contra os meus impulsos e a minha natureza de querer ver tudo resolvido o quanto antes, atropelando tudo.

Ainda ficarei do seu lado, mesmo que no marasmo. Pode ser até que um dia eu canse, porque já sabemos que meu tempo não é o mesmo que o seu. Mas, mesmo assim, comprometo-me que mais adiante só seguirei quando e se nossos passos forem iguais e paralelos. Não vou mais me adiantar, não vou mais colocar a minha intensidade a frente da sua. Manteremos o curso na sua direção, sua velocidade, sua intensidade.

Porque não quero mais competir, quero compartilhar e construir juntos o que decidirmos juntos construir. Não quero puxar, empurrar ou definir rumos sozinha. Agora quero seguir o ritmo junto contigo, mesmo que, para mim, seu ritmo seja lento e pareça que nunca sairemos do lugar.

E, caso tudo isso me entendie, eu vou para longe de novo, disparo correndo para outra direção, mas com a certeza que farei sem estardalhaços. E, principalmente, sem enxergar sozinha o que não existia, vendo exatamente o mesmo que você. Porque aprendi com você que para sonhar, só se for junto; para ver o futuro, só se vermos juntos juntos; para considerar o próximo passo, só se concordamos em andar juntos. E nada mais do que isso.

Quando a gente ensina

Image

A gente ensina pessoas, ensina muito. Na realidade, eu aprendo muito mais que ensino, mas consigo ensinar um bacadinho de gente. Ensino um pouco de mim, um pouco das minhas paixões (mesmo que adormecidas), um pouco da minha visão de mundo (mesmo que torta).

Vou contar uma experiência recente. Uma pessoa passou a interessar-se sobre fotografia nos últimos meses. E aconteceu de eu estar lá, na hora certa e no lugar certo, para passar algumas coisas do que aprendi nesses quase 10 anos de fotografia (não vou falar profissional, porque eu já me distanciei desses títulos). E fui explicando profundidade de campo, ISO, abertura, exposição, teoria de cor… Tudo isso que nós, que fizemos SENAC, vimos em quatro anos.

É bonito ver crescer em alguém a paixão por algo que é minha paixão. É lindo ver os olhos vidrados e brilhando quando falo de fotojornalismo de guerra, de Clube do Bangue-bangue, Magnum e afins. Parece magia, porque o é de fato. E, então, consigo entender porque tantos profissionais escolhem o caminho da ensino, mesmo com os péssimos salários.

Mas o ponto aqui é que percebi que ensinar é aprender, muito mais do que ensinar. Porque você redescobre-se apaixonado novamente, você lembra dos seus primeiros anos, daqueles em que você descobriu a sua paixão. Eu, por exemplo, lembro das discussões eternas de quando vimos com a Simonetta que a fotografia não é espelho da realidade… Ou das aulas do Serginho, que nos obrigava a sair pra fotografar em qualquer lugar, de qualquer jeito…

Tenho aprendido muito nesses últimos meses, ensinando e aprendendo! Preciso agradecer… 

——-

Foto de Gabriel Inamine: eu e Milla Puoli, nos bancos do Senac, em 2001 ou 2002 ou 2003! rsrs

Último suspiro de Amelie

- Não, hoje não vou mais me permitir ser quem eu não gostaria de ser. – disse Amelie, ainda olhando para aquele espelho.

Esse pensamento gritou quando ela encarava bravamente ao seu reflexo. Olhava profundamente nos olhos tão escuros que mal se podia distinguir as ranhuras da íris. E, naquele dia, naquele momento, não se chamava Amelie. Na realidade, não tinha nome, nenhum.

Sabia perfeitamente os motivos que a levaram chegar nesse ponto. Lembrava de quando havia decidido aventurar-se, abrindo-se para parte que ficava literalmente mais à esquerda do seu corpo. Escutar a imbecilidade que, por algum motivo estúpido, levou-a pensar:

- Não é nada demais para não se tentar.

Agora, um filme cheio de cenas lindas passava em sua cabeça, cenas que a despedaçavam inteira por dentro. E se arrependia de, novamente, deixar que lhe sugassem um pouco de vida.

Estava decidida.

- Amelie, querida. Não seja tão dura assim. Realmente, não é nada assim, tão difícil. Nada que você já não tenha sentido antes.

- Lena, você não consegue entender. Cansei dessas pessoas, desses vampiros que se alimentam de luzes que os outros emanam. Na realidade, eu venho pensando em apagar-me um pouco. Que mal farei? Tem tanta gente que reclama, que não entende, que me odeia a troco de nada.

- Você está exagerando.

- Bla bla bla, Lena. Não posso, não vou e não quero mais deixar ninguém estranho entrar. Chega, isso que as pessoas insistem em enxergar como brinquedo fechou. No more tickets.

- Ok, ok… Só não vá fazer besteira.

Amelie gargalhou, uma gargalhada irônica. Uma gargalhada que poucos ouviram um dia. Lena, que estava a seu lado há quase 20 anos, nunca ouvira. Assustou-se, não reconheceu sua amiga.

- Você está muito magoada.

- Estraçalhada.

- Precisa ficar forte.

- Estou trabalhando nisso.

- Está decidida?

Gargalhou de novo.

- Como nunca, Lena.

Amelie levantou-se, deu um último gole na taça de vinho, secou a boca com o dorso da mão e repetiu, com um sorriso maléfico:

- Como nunca.

Jogou uma nota de cinquenta reais na mesa, virou-se e saiu sem olhar para trás. Lena, preocupada, cogitou ir atrás, mas desistiu. Voltou a mesa de conhecidos para dar gargalhadas de alegria.

Ela traçou um caminho reto e determinado. Chegou ao lugar que tanto conhecia. Apertou o botão do interfone. Um voz sonada, doce, que cortava seu coração de maneira surpreendente, atendeu.

- Amelie?

- Preciso falar com você. Desce.

Cadu esfregou os olhos, vestiu um moletom qualquer – estava relativamente frio para o mês de janeiro. Desceu.

- Você não deveria ter feito isso, Cadu.

- O que?

- Sugado minha luz, idiota.

- Do que você está falando?

- Sabe que eu sempre vi pessoas como você fazer isso comigo. Sempre, em toda a minha vida. Hoje eu simplesmente cansei. Olhei no espelho e cadê meu brilho? Cadê eu? Tá aí, ó, desperdiçado, estraçalhado nesses lençóis bregas e usados da sua casa horrenda com chão de piso frio… Até seu piso é frio…

Ela riu ironicamente e falou baixinho:

- Meu Deus, como não percebi isso antes…

- O que tem meu piso a ver com toda essa história, Amelie?

Ela gritava, desesperada:

- Você sabe de que cor é o piso do meu apartamento? É de madeira, quente, aquecido. Com belos tacos que fazem aqueles barulhos confortáveis quando pisamos, sabe? Escolhido a dedo para aquecer. E sabe o que isso significa? Que eu sou uma pessoa quente, que eu seu uma pessoa humana, que corre riscos quando sente que deve… Uma pessoa que sente pra caralho.

- Amelie…

- E sabe o que seu piso horrendo, frio, branco e sem nenhuma sujeira significa, esse piso que você próprio escolheu? Que você é desesperado por ordem, por não deixar as coisas saírem do seu controle. Que você é frio, como seu chão. E que qualquer sujeira que surgir na sua vida, você vai limpar, sem cerimônias, com um pano que dói os olhos de tão branco, embebido com Veja perfume festa das flores. Você é ridículo.

- Amelie…

- Ridículo, Cadu. E sabe o que eu mais quero fazer agora? Subir lá na sua casa com uma porra de uma marreta e arrebentar todo aquele chão ridiculamente branco. Arrebentar até não sobrar nenhum piso de porcelana ou sei lá qual material imbecil que é feito aquilo lá… Deixar tudo no concreto, deixar tudo cinza. Talvez, assim, você perceba essa porra de vida fria que você tanto se gaba…

Amelie voltou poucos minutos depois com uma marreta. Cadu, falhamente, havia deixado a porta aberta. Ela, com toda a raiva, começou a marretar o chão. Cadu gritava:

- Você tá louca? Para com isso, sua desordenada.

Ela batia com toda força a marreta no chão, com uma raiva que nunca havia sentido… Mas o chão não cedeu. E ela havia tentando muito. Cadu, a seu lado e modo, pedia gentilmente para ela parar.

Uma hora depois, percebeu que não conseguiria estraçalhar nada. E estava exausta. Sentou, apoiado-se na marreta e chorou desesperadamente. Cadu ainda tentou abraçá-la. Ela resistiu, balbuciou qualquer coisa. Desistiu de tudo aquilo, levantou e saiu correndo, sem saber pra onde.

A má escolha de Michiko

Lisboa, Portugal (ph: Flavia K Cabral, junho 2009)

Lisboa, Portugal (ph: Flavia K Cabral, junho 2009)

 

Michiko sempre foi uma mulher armada. Cheia de máscaras, nunca preocupou-se muito em sentir. Ouviu dizer que isso, na realidade, era um problema sério. Conveceram-na que, caso continuasse assim, se transfomaria em máquina sem perceber e arrependeria-se do que não tinha sentido ao longo da vida. Diziam a ela que a vida era curta demais para racionalizar tudo, que o certo era simplesmente viver um dia de cada vez. Por isso, decidiu que passava da hora de permitir-se sentir.

Então, Michiko pegou suas duas pernas, e sua coragem, e traçou caminhos diferentes. Decidiu que, nesses caminhos, se permitiria sentir um pouco mais, abrindo partes de si que nunca tinham sido acessadas. E todas as pessoas que a rodeavam perceberam. Alguns, aproveitando a porta aberta, entraram arrebentando tudo. Outros, estranhando, afastaram-se um pouquinho por não reconhecê-la. Poucos mantiveram-se ao seu lado, como sempre estiveram, e entenderam de fato o que se passava.

Ela viveu alguns meses dessa forma, sentindo sem se preocupar com o depois. Quando deu por si, viu-se despedaçada em sentimentos fantasiosos, longe da realidade, e machucada sem ao menos saber o porquê. Sentiu amor, saudade, paixão, amizade, euforia, mas sentiu muita dor. Pois que veio então o arrependimento por ter-se aberto, talvez para pessoas erradas. “Antes, tivesse continuado armada. Antes tivesse continuado a racionalizar”, pensava Michiko.

Passou algum tempo achando que nunca conseguiria fechar essa porta, mas um belo dia, acordou sem paciência. Decidiu não querer mais ter contato com essa parte de si. “Que fique escondida, como um monstro, nas profundezas da minha mente (e do meu coração). Vou colocá-la na caixa mais funda da minha existência, na parte mais imersa do iceberg, jogar tudo para o alto e voltar a viver como antes”. E simplesmente juntou tudo que tinha, toda a força que conseguiu reunir e bateu a porta pesada na cara dos outros.

Agora, não tem certeza se a porta se marterá fechada por muito tempo. Espera que, se caso a porta abra sozinha, que pelo menos esteja prepada, armada e fortalecida. E é nisso que, nesse momento, está trabalhando.

 

Follow

Get every new post delivered to your Inbox.