Slumdog Milionaire

Cinema é muito mais que entretenimento, ao menos na minha concepção. É uma leitura dinâmica, com elementos visuais, sonoros e corporais, dos tempos que se insere. Filmes produzidos no passado lêem o passado, mesmo sob a temática do futuro; filmes do presente lêem o presente, mesmo que fale do passado. Até mesmo porque, aquilo contado na tela é a visão de uma pessoa (diretor, escritor, roteirista) sobre determinado assunto, inserida no contexto histórico que vive. Aliás, qualquer forma de expressão e arte funciona assim, a fotografia, a literatura, a pintura…

O novo filme de Danny Boyle, “Quem quer ser um milionário? (Slumdog Milionaire, no infinitamente melhor título original)”, traduz o que vivemos em 2009. A luta de classes, o desenvolvimento e verticalização relâmpago das cidades, a decadência da instituição da família, a luta religiosa e a americanização da cultura, em um dos países emergentes economicamente.  É também sobre a Índia, a sua história, a sua rica cultura e sobre a idéia que influencia a formação social do país (Está escrito!). Mas, aos olhos do espectador desatento, as críticas a sociedade moderna podem não ser notadas. São só o pano de fundo para a história de um menino indiano, pobre e órfão que faz qualquer coisa pelo amor da amiga de infância, inclusive participar de um programa ordinário de perguntas e respostas.

Para perceber é preciso estar atento aos detalhes que, rapidamente, passam na tela e pela fala dos personagens. A Coca-Cola oferecida, o genocídio pela religião, a falta de saneamento básico, a briga dos irmãos pela sobrevivência, a mudança do cenário em pouco tempo, a alteração da língua, a nacionalidade do chefão… São muitos os detalhes que mostram a loucura em que estamos e que apontam para algo maior do que aquilo que está no primeiro plano da tela.

O mais estranho é que, mesmo com todo suspense, pobreza, morte e tragédias, o filme rende ótimas risadas. Na saída, o sentimento é de descontração – o oposto do “Cidade de Deus”, de Fernando Meirelles, que todos insistem em colocar no mesmo saco. Na minha restrita opinião, o brasileiro não chega nem aos pés do inglês. Particularmente, prefiro a sutileza e a inteligência de Danny Boyle à grosseria de Meirelles! Influências de linguagem e forma existem, sem a menor dúvida – principalmente da parte de Meirelles, pois a linguagem de Boyle sempre foi videoclipe (quem não lembra de “Trainspotting” e de “A Praia”?). Entretanto, acho o Slumdog mais parecido ao “A Vila”, do indiano M. Night Shyamalan, do que ao brasileiro. Enfim, isso é só palpitação minha. Fato mesmo são as ótimas críticas e os inúmeros prêmios ao Slumdog!

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s