Música, som, ruído: Trilha Sonora

Pampulha

Para mim, a música tem uma importância enorme na hora da corrida. Aliás, reformulando, a música tem um papel fundamental em qualquer momento da minha vida. Ela faz o papel de trilha sonora do presente, do passado e do futuro. Ouço músicas que amo e que me lembram o passado e a emoção aflora de tal forma que transforma aquele cenário no presente em perfeição memorável.

Durante os treinos, a música funciona da mesma forma, além do papel clássico de motivação. Ouço músicas que me lembram corridas do passado e que serão perfeitas para me ajudar a terminar desafios futuros. Aproveito a música que está tocando para embalar um cenário, um treino, um sentimento… Eu simplesmente não consigo conceber um mundo sem ritmo, letra, cancões. Por isso, pra começar 2011, reformulei todas as músicas do meu Ipod. Abaixo segue a lista das que mais tocam hoje:

  1. Rain, by Mika (The Boy Who New too Much)
  2. Ready to Start, by Arcade Fire (The Suburbs)
  3. Love like a Sunset, by Phoenix (Wolfgang Amadeus)
  4. From Above, by Ben Folds & Nick Hornby (Lonely Avenue)
  5. All I Want, by LCD Soundsystem (This is Happening)
  6. Thieves in the Night, by Hot Chip (One Life Stand)
  7. Teenage Dream, by Katy Perry
  8. Fireflies, by Owl City (Ocean Eyes)
  9. Radioactive, by Kings of Leon (Come Around Sundown)
  10. Sleazy, by Kesha (Animal)
Advertisements

Lace up to save lives!

Há três anos eu trabalho com a África do Sul. Aos pouco, aprendi a amar e a me importar com as questões do continente. Quer dizer, não somente quando comecei o trabalho. Eu sempre fui sensível aos problemas humanos deste que parece um lugar totalmente abandonado pelos países líderes; as imagens sempre me chocaram. Só que o contato com a África do Sul me fez mais perto de tudo aquilo que quase nunca lemos nos noticiários. Me fez enxergar, e me importar de fato, com os problemas sociais, como a AIDS.

Segundo os números da OMS (Organização Mundial de Saúde) a África do Sul é o país que tem mais pessoas infectadas pelo vírus HIV no mundo, com 5,7 milhões de doentes em um total de 48,5 milhões de habitantes. Parte da culpa, segundo especialistas, deve-se ao descaso com que os problemas do continente são tratados pelos países; aos líderes da África do Sul que colocaram à luta contra AIDS em segundo plano e a não adotaram políticas públicas eficiente em combate e prevenção da infecção pelo vírus; a desinformação e crenças absurdas da população e ao grande índice de estupros (estima-se que em certas regiões ocorram mais de um milhão por ano); e, sem dúvida, ao lucro das grandes empresas farmacêuticas que ganham rios de dinheiro com os remédios e coquetéis antiretrovirais (ARV) com patente.

No Brasil, cerca de 0,35% da população, ou 540 mil pessoas, é infectada pelo vírus HIV. Mesmo assim, há políticas eficientes dos governos, campanhas de conscientização nas escolas e medidas governamentais que ajudam no tratamento da doença e impedem a disseminação do vírus. Um exemplo é a quebra de patentes dos remédios ARV, que tornou-os infinitamente mais baratos. O país tornou-se referência no tratamento da doença no mundo e tem contrato de cooperação com diversos países da África subsaariana, a mais afetada pela epidemia.

Diante de enormes números, nós, sozinhos, nos sentimos impotentes. Contudo, podemos participar de campanha encabeçada por entidades de combate a AIDS, divulgadas por empresas bacanas. Um exemplo é a (RED) –  www.joinred.com. A ideia  é usar a força de compra dos consumidores, revertendo parte do lucro de certos produtos para o Fundo Global de combate à Aids. Ela juntou várias marcas reconhecidas internacionalmente e criou uma linha (RED). Toda vez que você compra um destes produtos, você ajuda milhões de pessoas à: conseguir remédios antiretrovirais, fazerem o teste de HIV, ter informações e treinamentos sobre a doença e prevenir que a AIDS passe de mãe para filho. Quer dizer, com pouco você ajuda a parar o avanço da doença no continente.

Lá fora, existe uma gama enorme de produtos de várias empresas que participam da campanha (Converse, Dell, Apple, Armani, GAP, Hallmark, Starbucks e Nike). Aqui no Brasil, encontrei o cadarço vermelho da Nike que custa apenas R$ 14,90. Existe em três tamanhos e você pode adquiri-lo em qualquer Nike Store. O nome da campanha é lindo: “Lace up to save lives” e ele vem numa caixinha vermelha e branca com o mapa da África desenhado pelo cadarço. Também vi que a Converse tem alguns tênis, mas ainda não vi nas lojas (ainda vou pesquisar mais e coloco os que achar produtos nos comentários).

Para se ter uma ideia como é possível ajudar, o tal do ARV custa cerca de R$1 cada e o efeito parece mágico – em dois meses, o doente tem uma melhora absurda, visualmente e em qualidade de vida. Veja abaixo.

Superação

Correr é superar, sempre. Superar a preguiça de sair da cama pela manhã. Superar a vontade de ir direto para casa depois de um dia cheio de trabalho, se jogar no sofá e ficar de pernas para o ar. Superar a chatice que é fazer musculação. Superar a dor no pé e a moleza nas pernas depois de uma hora de percurso. Superar o sol, a chuva, o frio, o calor…

Mesmo para os viciados, as vontades humanas atrapalham. Quem nunca quis ir para o bar com os amigos ou se afundar em pizza no final de semana de corrida? Ou então acordou e estava aquele tempo feio, quase garoando, e pensou: “acho que hoje não vou, não”? Nesses momentos sempre lembro: Deus me fez perfeita e me deu a possibilidade de fazer algo que amo muito; que considero “melhor do que muita que existe”. Então, porque raios eu vou sucumbir à preguiça?

E é bem nos dias que faço um esforço tremendo para ir treinar que encontro no Ibira exemplos que deixam a minha superação no chinelo. Encontro deficientes físicos ou visuais, amputados, mães com bebês em carrinhos… Chego até a ficar com raiva de mim, por não estar me esforçando mais.

Pensando nisso hoje, depois que passei uma semana de molho por causa de uma infecção urinária mais forte e remédios mal receitados, lembrei de um vídeo fenomenal que sempre, sempre mesmo, me faz chorar. Isso sim é superação e entrega!

PS: Eu sonho com o dia que completarei o Ironman! Quando isso acontecer, vou até tatuar na perna! Deixei um espaço especialmente reservado!

Hidrate-se

Se tem uma coisa fundamental na corrida, e em qualquer prática de esportes, é a hidratação. Independente da temperatura, frio ou calor, a desidratação faz muito mal à saúde. Durante o treino prejudica a performance e pode causar problemas como queda de pressão, desmaios, exaustão pelo calor e até a morte. E, se for no dia-a-dia, ou seja, se você não se hidratar adequadamente durante o dia e repuser menos fluído do que o necessário, haverá uma queda no rendimento dos treinos que vai pegá-lo desprevenido e poderá causar enxaquecas, cansaço, indisposição e outras cositas más.

Mas qual é a quantidade adequada de fluídos? Aí é seu corpo que vai dizer. Os especialistas apontam que é necessário beber em torno de meio litro duas horas antes de começar o treino – o que seria o tempo necessário para o corpo absorver toda essa água e eliminar o que sobrou. Feito isso, é importante que você se mantenha hidratado sempre durante a corrida, bebendo água sempre, mas não tanto a ponto de ficar com líquido acumulado e balançando na barriga – particularmente, isso me causa desconforto e dor. A sugestão é que você faça um teste para saber o quanto você consegue beber sem chegar a essa situação. Depois também é super importante, para repor a quantidade de água perdida. E durante o dia, já senso comum que se beba de 2 a 4 litros de fluído para manter-se saudável. Ou seja, hidrate-se antes, durante e depois do treino – hidrate-se o tempo inteiro.

O que tomar?

Especialistas em esportes dizem que aquelas bebidas esportivas, como Gatorade, são bem completas para hidratar o atleta. São bem ricas em sais minerais, um dos componentes necessário para a reidratação. Eu não gosto delas, acho bem ruim. Também não consigo entender o seguinte: 200 ml de Gatorade, por exemplo, contém 48 kcal, 12g de carboidratos e 90 mg de sódio. A água mineral tem 0 kcal e 1,19 mg de sódio – o que corresponde quase 1/100 do isotônico em questão. Li estudos que indicam que o sódio dificulta a absorção de líquido no corpo. Então, alguém especialista me explica como uma bebida que contém um alto teor de sódio pode ajudar na hidratação? E será que algo que é natural não é bem melhor do que essas coisas industrializadas?

Na minha humilde opinião de corredora há dois anos, acho que o bom mesmo é água durante a corrida e água de côco natural (meio a meio, como sempre peço lá no Ibira e pago R$ 2,50) para depois. E viva o natural, porque dessas coisas químicas, eu tô fora. Detesto.

O melhor mesmo é você consultar um especialista que vai te orientar direitinho como se hidratar durante o treino. Uma coisa é fato: hidratação não pode faltar!

PS: Enquando escrevo sobre isso aqui, penso na possibilidade de uma nova tatoo que celebre a minha paizão por corrida!

Samsung 10K

Acordei 30 minutos atrasada no último domingo (15) e não consegui encontrar pela primeira vez os Twittersrun, um grupo de corrida do Twitter que achei por acaso na semana passada. Fiquei triste, pois estava ansiosa por conhecer outros corredores (não estou em nenhuma assessoria esportiva, por isso corro sozinha). Apesar disso, fiquei muito, mas muito, contente com a prova, que foi uma das melhores que já participei.

Nunca tinha feito uma corrida com percurso pelo Ibirapuera, República do Líbano e Rubem Berta. O que quer dizer que, obviamente, nunca tinha participado da Samsung 10K e, como não li nada sobre o assunto, não esperava uma corrida tão grande. Fiquei impressionada quando encontrei cerca de 10 mil pessoas se amontoando para chegar à largada. Eu acho isso fantástico – um monte de corredores, esportistas de bem com a vida. Adoro esses eventos que movimentam muitas pessoas.

Antes de passar pelo pórtico da largada, tinha decido que iria fazer uma corrida bem tranqüila e iria parar no caminho para tirar fotos. E foi o que fiz. No final, me senti tão bem que consegui fazer uma porção de coisas depois – arrumar a casa é uma delas.

O percurso é muito bacana. As subidas, apesar de muitas, são tranqüilas e a energia de todas aquelas pessoas te impulsionam a ir mais e mais. Terminei a prova em 1h05min – um tempo bem ruim, tendo em vista que meu objetivo neste ano era ficar abaixo de 1h (mas é preciso considerar que eu casei em junho e estou tendo aula todos os dias). Apesar disso, fiquei bastante satisfeita e feliz!

Próxima corrida
Circuito das Estações – Verão (10k)
Data: 20 de dezembro
Local: Pacaembu
Inscrições: R$ 66 (www.circuitodasestacoes.com.br)

Circuito Vênus 2009: 4ª etapa – São Paulo


A4ª edição do Circuito Vênus de 2009, que aconteceu no último domingo (15), foi bem maior que as anteriores. A organização divulgou cerca de cinco mil inscrições, sendo que a última de São Paulo, em março, tinha 3,2 mil. E esse aumento foi visível: muitas mulheres se aglomeraram nas saídas para a largada, que  estava bem maior do que nas outras edições, muita gente circulando pelo Jóquei Club e muitas mulheres correndo também.

Eu, particularmente, adoro essa prova. E são muitos os motivos: o percurso, o propósito, os mimos, o kit e tudo que a organização proporciona. Acho fundamental ter algo que celebre a saúde da mulher e incentive a todas à prática de exercício físico. E é tão bacana ver que nós estamos ganhando espaço no mundo dos esportes e das corridas – que era dominado primordialmente por homens.

É nesse tipo de ambiente que presenciamos histórias de superação e de muita, mas muita, felicidade ao cruzar a linha de chegada. Dessa vez, passei por uma mulher cega no oitavo quilometro que corria com a guia. Foi tão emocionante que cheguei a passar mal, tive que andar até o ponto de água para conseguir me acalmar. Depois que terminei a prova tentei achá-la para uma entrevista, mas não consegui. Também conheci uma mulher que, apesar de todas as lesões causadas pela corrida, estava lá, na Vênus, para superar mais esse limite do corpo. E não me canso de contar como quase todas cruzam a linha de chegada com o maior sorriso no rosto: a felicidade está ali, estampada na superação dos 5 ou 10 quilômetros que oportunou por cerca de meia ou uma hora.

É por isso que eu gasto tanto dinheiro com inscrições de provas (só neste ano, já completei sete e já estou inscrita em mais duas); é por isso que gosto tanto de correr. A corrida nos ensina muita coisa, como superar limites, como controlar o corpo e as emoções, como pensar de forma mais clara e planejar todos os passos para conquistar um objetivo. Sobretudo, a corrida ensina que nunca podemos desistir até alcançar o almejado. É divertidíssimo!

Pontos altos: o kit, com vários produtos Avon; a animação. Pontos fracos: camisetas de tamanho errado (só consegui pegar G da corrida e GG de Finisher) – o que achei muita sacanagem conosco, pois nas inscrições escolhemos o tamanho que queremos. Eles deveriam ter o controle de quantas camisetas de cada tamanho são necessárias.

Próximas Corridas

Troféu Zumbi dos Palmares – Samsung 10k
Data: 22 de novembro
Local: Parque do Ibirapuera
Inscrições: R$ 50 (www.corpore.com.br)

Circuito das Estações – Verão (10k)
Data: 20 de dezembro
Local: Pacaembu
Inscrições: R$ 66 (www.circuitodasestacoes.com.br)

Mova-se: Circuito Vênus, 4ª etapa 2009

Eu, na primeira etapa deste ano!

Domingo é dia de uma das minhas corridas preferidas, o Circuito Vênus. A corrida é só de mulheres, o clima é bem bacana e o kit é lindo.  O percurso de 10 k começa no Jóquei Clube e vai pelas redondezase. E é tranquilo, já não tem muitas subidas. Foi a primeira prova de 10k que eu fiz.

Estarei lá no sábado, nas palestras e na aula de yôga, e no domingo para a corrida!

Programação e inscrições: www.circuitovenus.com.br